África anuncia que erradicou a poliomielite

Doença permanece uma ameaça no Paquistão e no Afeganistão

O continente africano anunciou que está comemorando quatro anos sem registros de novas infecções da poliomielite (também conhecida como paralisia infantil) em todos os seus 54 países. A Organização Mundial da Saúde (OMS) deve certificar ainda neste mês a erradicação do poliovírus selvagem na África. A região nordeste da Nigéria foi o último foco da doença no continente, onde o último caso detectado ocorreu em 2016.

O diretor-geral da organização, Tedros Adhanom, participou do anúncio virtual realizado por videoconferência, junto com a diretora da região africana, Matshidiso Moeti e outros especialistas. “Desde 1996, aproximadamente 9 bilhões de vacinas contra a pólio foram distribuídas na África, evitando até 1.8 milhões de casos e salvando mais de 180.000 vidas”, informou o diretor da OMS em um comunicado antes da cerimônia. 

O que é a pólio?

A poliomielite é uma doença infecciosa aguda e contagiosa, causada pelo poliovírus selvagem (PVS) que atinge principalmente as crianças, mas também pode ocorrer em adultos não imunizados. O vírus é capaz de atingir a medula e cérebro, ocasionando uma paralisia irreversível que atinge mais frequentemente os membros inferiores, ou, até mesmo, levar a óbito. As sequelas são, na maioria dos casos, relacionadas com a capacidade motora.

Os sintomas incluem febre, mal-estar, dor de cabeça, vômito, diarreia, rigidez na nuca e outros. A enfermidade é transmitida pelo contato direto com fezes ou secreções eliminadas pela boca de indivíduos infectados. A doença ainda não tem cura e a vacina é a única forma de prevenção. Por isso, todas as crianças de até 5 anos precisam ser vacinadas.

Luta contra a doença na África

As vacinas contra a poliomielite foram descobertas na década de 1950. Porém, as baixas taxas de vacinação fez com que a doença continuasse endêmica no continente africano. Em 1996, mais de 70 mil casos eram contabilizados na região anualmente. No mesmo ano, o presidente sul-africano, Nelson Mandela, lançou a campanha “Kick Polio Out of Africa!” com as primeiras ações de vacinação em massa do continente. 

O conjunto de iniciativas realizadas pelos Chefes de Estado africanos resultaram na imunização de 95% dos habitantes. Ainda assim, as taxas de vacinação precisam continuar altas para prevenir qualquer ressurgência do poliovírus selvagem. Além disso, 16 países do continente ainda sofrem com a poliomielite por vírus derivado da vacina (VDPV), mutação viral batizada de cVDPV2 que ocorre em locais com imunização muito baixa.

Histórico

A poliomielite foi reconhecida em 1840 pelo ortopedista alemão, Jakob Heine, e o poliovírus foi descoberto em 1908 pelo médico austríaco, Karl Landsteiner. As epidemias de pólio causaram sequelas em milhares de crianças e adultos pelo mundo. No auge da Guerra Fria, vários cientistas se uniram para desenvolver os dois tipos de vacinas que são usadas mundialmente no combate à poliomielite. A primeira foi obra de Hilary Koprowski, um virologista e imunologista polonês, já a segunda foi criada por Jonas Salk em 1952.

Atualmente, os casos de poliomielite ainda acontecem no Paquistão, com 29 ocorrências em 2020, e no Afeganistão, com 58. No Brasil, não é registrado um caso de pólio desde 1989. Esta pode tornar-se a segunda enfermidade erradicada mundialmente na história da humanidade. A primeira foi a varíola, cuja erradicação foi certificada em 1990 pela OMS.

DEIXAR RESPOSTA

Por favor insira seu comentário!
Por favor digite seu nome